quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

É tão bom ter amigos!


Estafeta de Contos


À semelhança do ano passado, a nossa Professora Bibliotecária recebeu o testemunho da Estafeta de Contos. O Professor Bibliotecário João deliciou-nos com as suas histórias na Biblioteca da Avenida.



Agora será a vez de a nossa Biblioteca passar o testemunho…


quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Fogaceiras na BE da Avenida

Dia 20 de janeiro, um dia importante para o município…

No dia 16 de janeiro, a Equipa da BE da Avenida teve o privilégio de receber uma convidada muito especial: a Dr.ª Gracinda Sousa, que pertence à Confraria das Fogaças.
A Dr.ª Gracinda teve a amabilidade de trazer o seu belíssimo traje e de partilhar os seus saberes. Leu excertos da obra Dourada, a Fogaça Encantada, que é da sua autoria, e explicou-nos pormenores dos símbolos da Confraria, da história da origem desta nossa tradição.  
Dr.ª Gracinda, agradecemos a sua disponibilidade, paciência e simpatia!









domingo, 20 de janeiro de 2019

A Inês encerrou as sessões com a escritora, cantando o Fado das Fogaceiras...

Viva as Fogaceiras!

Para comemorar o Dia das Fogaceiras convidamos Gracinda Sousa, autora do livro, Dourada a Fogaça Encantada para connosco partilhar leituras e nos explicar em que consiste uma confraria e o que fazem os seus membros, os confrades.
Um grupo de alunos com Necessidades Educativas Especiais deu início às sessões e alunos dos 5ºA, B e D leram os dois textos que escreveram sobre a Dourada, em 77 palavras - alusivos ao projeto de âmbito nacional Histórias em 77 palavras, da escritora Margarida Fonseca Santos. 
Em seguida, a escritora dialogou com os alunos, que lhe foram colocando algumas questões.

Agradecemos a disponibilidade da confrade e escritora Gracinda Sousa em participar nestas sessões na nossa escola, bem como de todos os alunos que se empenharam e envolveram nesta celebração.






A fogaça das 77 palavras
 
No século XVI, apareceu a Peste Negra em Terras de Santa Maria. Ana Padeira, cidadã da terra, ficou aflita quando descobriu que a filha tinha apanhado esta doença.
Fez, então, uma prece a S. Sebastião para afugentar esta epidemia. Uma fogaça doce - Dourada – confeccionou, oferecendo-a ao Santo, que tanto a apreciou.
De lá para cá, no dia 20 de janeiro, festeja-se a Festa das Fogaceiras, continuando-se a venerar o Santo e a manter viva a tradição.
Alunos das turmas A e B do 5ºano


                            A Dourada             

      Era uma vez uma senhora, em Terras de Santa Maria, que queria curar a filha da Peste Negra. Para isso, Ana Padeira confecionou um pão doce, a fogaça – Dourada. Este pão doce foi oferecido a S. Sebastião com a intenção de o Santo afugentar a peste. O Santo gostou tanto que ela desapareceu de vez. Desde então, a Festa das Fogaceiras é comemorada no dia 20 de janeiro, com meninas vestidas a rigor, transportando fogaças como oferenda.

Alunos do 5ºD